A falta de chuva está a afectar mais de dois milhões de pessoas na região. A maioria da população da Huila e Cunene têm – segundo as Nações Unidas – o seu “estado nutricional comprometido”, decido à situação de “insegurança alimentar” provocada pela seca prolongada.

A ausência de precipitação, obrigou o povo das duas Províncias a deslocarem-se das zonas onde viviam na procura de água e alimentação para si e para o gado. Esta migração forçada está a provocar o aumento do abandono escolar e do trabalho infantil. A UNICEF estima que esta circunstância possa abranger mais de 192 mil crianças do Sul de Angola.

As carências alimentares devido à seca, propiciam a eclosão de epidemias, nomeadamente o sarampo, a poliomielite, ou a sarna.

A situação é ainda mais complexa dado que a organização das ONU para a infância, viu os seus recursos afectados pela redução de financiamento. Aquela agência orçamentou treze milhões de euros para o seu programa de intervenção, mas apenas conseguiu 45 por cento da verba. Daí que a UNICEF reconheça que o financiamento reduzido “levou ao insucesso em relação às metas” do projecto.

 

Foto: Nações Unidas

Comentar

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Notícias Recentes

CEDEAO quer fim de contenda eleitoral

A Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, que ...

Guiné-Bissau    12 fevereiro 2020

Novo governo moçambicano toma posse

Tomou posse, dois dias depois da investidura de Filipe Nyusi...

Moçambique    18 janeiro 2020

Filipe Nyusi toma posse para um segundo mandato

Filipe Nyusi tomou posse, esta quarta-feira, para um segundo...

Moçambique    16 janeiro 2020

Umaro Sissoco Embaló eleito Presidente da Guiné-Bissau

O candidato do MADEM ultrapassou Domingos Simões Pereira por...

Guiné-Bissau    01 janeiro 2020

Guineenses votam para Presidente da República

Os eleitores da Guiné-Bissau encolhem entre Domingos Simões ...

Guiné-Bissau    29 dezembro 2019