O jornalista recebeu, de João Lourenço, a Medalha de Mérito de Bravura e do Mérito Cívico e Social. O Chefe de Estado atribuiu-lhe aquela distinção pela sua contribuição “pertinente e decisiva” no “esforço de construção de Angola”.

O Presidente de Angola agraciou também outras personalidades do país, nomeadamente desportistas, empresários, músicos, entre outros representantes da sociedade civil do p+aís. Entre elas encontram-se os gestores, Carlos Cunha e Rui Santos; o cantor, Eduardo Paim; bem como o jornalista, Sousa Jamba; a bióloga, Adjany Costa; e a campeã africana de xadrez, Luzia Pires.

No âmbito das comemorações da Independência de Angola, foram atribuídas as Ordens da Independência e do Mérito Civil, e a Medalha de Bravura e do Mérito Cívico e Social.

Os distinguidos “são personalidades reconhecidas pela pátria com percursos destacados enquanto nacionalistas e angolanos que se bateram de modo valente contra o colonialismo, lutaram pela independência e pela construção do Estado angolano”.

Para João Lourenço trata-se de acto de “um país reconciliado e inclusivo” e uma forma de mostrar à sociedade angolana pessoas empreendedoras que, “ao invés de se lamentarem” das dificuldades, “arregaçam as mangas e vão à luta”.

Enalteceu-os também por terem tido a “coragem”, “desde muito cedo”, de se baterem “contra a corrupção crescente” que se criou raízes no país “porque a superestrutura dava mau exemplo e, por isso não tinha moral para combater o monstro que ela própria criou e do qual se alimentava”.

Neste contexto, apelou à unidade de todos na luta contra a corrupção e o nepotismo.

Rafael Marques enfrentou processos em tribunal e esteve preso, durante a Presidência de José Eduardo dos Santos, por ter denunciado actos de corrupção de figuras do Estado, nepotismo e o tráfico de influências naquele período.

O jornalista é o fundador do Jornal digital Maka Angola, que tem investigado e denunciado casos de corrupção em Angola.

O agraciado recebeu a Medalha de Mérito de Bravura e do Mérito Cívico e Social com “bastante” satisfação, depois de ter sido classificado de “vende pátria”.

O defensor dos direitos humanos, em Angola, elogiou a “atitude” de João Lourenço, por ser um sinal “de inclusão de todos os angolanos que muito têm feito para o desenvolvimento de Angola, mas nunca foram reconhecidos”.

 

Comentar

Comentários   

0 # Christine 09-08-2020 23:36
A person necessarily help to make seriously articles I might state.
That is the first time I frequented your best
web hosting 2020
page and thus far? I amazed with the research you made to create this
particular put up amazing. Excellent activity!
Responder | Responder com citação | Citar
{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Notícias Recentes

CEDEAO quer fim de contenda eleitoral

A Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, que ...

Guiné-Bissau    12 fevereiro 2020

Novo governo moçambicano toma posse

Tomou posse, dois dias depois da investidura de Filipe Nyusi...

Moçambique    18 janeiro 2020

Filipe Nyusi toma posse para um segundo mandato

Filipe Nyusi tomou posse, esta quarta-feira, para um segundo...

Moçambique    16 janeiro 2020

Umaro Sissoco Embaló eleito Presidente da Guiné-Bissau

O candidato do MADEM ultrapassou Domingos Simões Pereira por...

Guiné-Bissau    01 janeiro 2020

Guineenses votam para Presidente da República

Os eleitores da Guiné-Bissau encolhem entre Domingos Simões ...

Guiné-Bissau    29 dezembro 2019