Técnicos do Museu do Brasil conseguiram retirar, das cinzas do edifício, fragmentos de Luzia, nomeadamente do crânio e do fémur.

Os cientistas pensavam que o fóssil humano mais antigo do Continente tinha desaparecido no incêndio que consumiu o Museu, no mês passado.

No entanto, as chamas pouparam-no, dado que se encontrava acondicionado numa caixa metálica, guardada num armário também de metal, para evitar acidentes. Todas as partes encontradas - além do crânio, parte do fémur - estavam numa caixa de metal dentro de um armário também de metal, precisamente para evitar acidentes, dada a sua fragilidade.

Agora há necessidade de montar as peças encontradas, dado que o calor derreteu a cola que as unia.

O fóssil, com 12 mil anos, foi encontrado, em 1975, na Lagoa Santa, em Minas Gerais. A descoberta de Luzia permitiu aos investigadores concluir que a colonização do Continente Americano começara antes do que se pensava e a partir da Ásia.

 

Comentar

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Notícias Recentes

Papa Francisco apela à união em Moçambique

Foi frente a cerca de 80 mil fiéis, num dia de chuva, que o ...

Moçambique    07 setembro 2019

Papa encoraja jovens moçambicanos a serem tenazes

Francisco lembrou, a propósito, a figura de Eusébio. No enco...

Moçambique    06 setembro 2019

Guiné-Bissau e Moçambique vencem jogo de apuramento para o Mundial

Ambas as selecções ganharam por uma bola a zero no terreno d...

Geral    06 setembro 2019

Papa já está em Moçambique

Francisco chegou ontem a Maputo, tendo sido recebido em ambi...

Moçambique    05 setembro 2019

Presidente da América do Sul vão apelar à protecção da Amazónia

Chefes de Estado da região preparam, para amanhã, o lançamen...

Brasil    05 setembro 2019