O Presidente brasileiro determinou que as Forças Armadas brasileiras assinalem, de forma “devida”, a acção que levou à ditadura militar naquele país lusófono, em 1964.

A iniciativa decorrerá, em todos os quartéis, no último dia do mês. O movimento, ocorrido há 55 anos, derrubou o Governo de João Goulart , dando lugar a um regime ditatorial que durou 21 anos.

O período ficou marcado pela morte e tortura de dezenas de opositores políticos, assim como pela ilegalização dos partidos políticos e estabelecimento da censura.

Há nove anos, Dilma Rousseff decidiu suspender qualquer iniciativa militar relacionada com o golpe e lançar a Comissão Nacional da Verdade para esclarecer as violações de direitos humanos, cometidas, de 18 de Setembro de 1946  a 5 de Outubro de 1988, por agente públicos ou pessoas ao serviço do regime.

A delegação, que desagradou aos militares, concluiu os seus trabalhos, no final de 2014, com a entrega de relatório – identificando 377 agentes públicos envolvidos em práticas ilegais, e propondo que os órgãos competentes determinassem a responsabilidade jurídica - criminal, civil e administrativa – daqueles que estiveram envolvidos nesses crimes contra a humanidade. O grupo sugeriu também que as Forças Armadas reconhecessem a sua responsabilidade institucional nas violações de direitos humanos durante a ditadura.

A iniciativa de Jair Bolsonaro tem por objectivo branquear os excessos cometidos, justificando-os como resultado da Guerra Fria.

Comentar

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Notícias Recentes

Cabo Verde primeiro país africano a aderir à descarbonização dos transportes

A cerimónia de adesão à referida Aliança decorreu hoje, 24 d...

Cabo Verde    24 abril 2019

Tribunal reduz pena a Lula da Silva

O Superior Tribunal de Justiça do Brasil decidiu passar de 1...

Brasil    24 abril 2019

Aprovada proposta de lei para criação de autarquias em Angola

Foi aprovada, pelo Parlamento angolano, na generalidade, a p...

Angola    23 abril 2019

Presidente de Moçambique na China

Filipe Nyusi está, em Pequim, para participar no segundo Fór...

Moçambique    22 abril 2019

Países lusófonos entre a boa e a difícil situação no que toca a liberdade de imprensa

Portugal subiu dois lugares na classificação dos Repórteres ...

Geral    22 abril 2019