A redução ou suspensão do financiamento aos estabelecimentos de ensino superior está a preocupar os responsáveis dessas instituições.

Aqueles dirigentes fizeram as contas ao impacto das supressões e concluíram que vai faltar dinheiro para pagar água, luz, limpeza e segurança. Segundo as suas estimativas também vão ficar sem capacidade para manter em funcionamento as cantinas e apoiar os estudantes carenciados.

O bloqueio de recursos impede também a realização de obras, bem como a compra de equipamentos laboratoriais e hospitalares.

O alerta, ao Governo de Jair Bolsonaro, foi lançado por várias instituições, nomeadamente as Universidades do Rio de Janeiro, Paraná, Minas Gerais, Baía, Pernambuco e São Paulo.

Se o executivo brasileiro mantiver os cortes, os seus efeitos vão começar a sentir-se já a partir de Julho, no inicio do segundo semestre lectivo.

Com o congelamento, o Ministério das Ciências e Tecnologias perdeu perto de 42 por cento dos seus recursos orçamentais e viu o orçamento da educação reduzido em  quase seis mil milhões de reais.

O impacto da medida é enorme dado que. desde 2014, o ensino público universitário tem visto reduzirem-se, todos os anos, as suas disponibilidades orçamentais.

Comentar

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Notícias Recentes

Presidente de Timor solicita constitucionalidade de diplomas aprovados no Parlamento

Em causa está a nova formulação das Leis do Fundo Petrolífer...

Timor-Leste    13 agosto 2019

Alemanha suspende investimentos no Brasil

Na base da decisão está a política ambiental do Governo Bras...

Brasil    12 agosto 2019

Há 500 anos começava a primeira viagem de circum-navegação

Há 500 anos o português Fernão de Magalhães e o espanhol Seb...

Portugal    10 agosto 2019

Angola e Cabo Verde acordam fim da dupla tributação

Os governos de Angola e Cabo Verde assinaram, quinta-feira e...

Geral    09 agosto 2019

Umaro Sissoco Embaló é candidato às Presidenciais

O MADEM-G15, Movimento para a Alternância Democrata – G15, r...

Guiné-Bissau    09 agosto 2019