Guerra aberta entre Jair Bolsonaro e Emmanuel Macron. O presidente francês quer que a grave crise que se vive na Amazónia seja discutida, este fim de semana, na Cimeira do G7, que decorre em terras gaulesas. Em comunicado a presidência francesa adiantava que, dados os últimos desenvolvimentos, Macron era obrigado a concluir que Bolsonaro lhe mentiu na Cimeira de Osaka ao não respeitar os compromissos ambientais firmados e ao não se empenhar em matéria de biodiversidade.

Em reação a estas palavras o chefe de Estado brasileiro afirmou que o seu homólogo se está a aproveitar da situação para tirar “ganhos políticos”:

"Incêndios florestais existem em todo mundo e isto não pode servir de pretexto para sanções internacionais. O Brasil continuará sendo, como foi até hoje, um país amigo de todos e responsável pela proteção da sua floresta amazónica", afirmou Jair Bolsonaro, num discurso na televisão.

Ontem, o chefe de Estado brasileiro autorizava, por decreto, o recurso às Forças Armadas para “ações preventivas e repressivas contra delitos ambientais” e no combate a “focos de incêndio”, para o período entre 24 de agosto e 24 de setembro.

França e Irlanda tinham posto em causa o acordo de livre comércio assinado entre a União Europeia e o Mercado Comum do Sul, Mercosul, devido à tragédia na floresta amazónica brasileira.

O país já tinha visto suspenso o apoio da Noruega e da Alemanha, os principais doadores do Fundo Amazónia, pelos mesmos motivos.

Entretanto, os EUA ofereceram-se para apoiar o Brasil no combate os fogos:

"O Presidente Trump também se colocou à disposição para nos ajudar na proteção da Amazónia e no combate às queimadas [incêndios], se assim desejarmos, bem como para trabalharmos juntos por uma política ambiental que respeite a soberania dos países", afirmou o presidente brasileiro.

Já o Primeiro-ministro português, António Costa mostrou-se solidário para com o povo brasileiro acrescentando que aquilo de que o país precisa, neste momento, é de apoio.

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, afirmou ontem que a Amazónia “deve ser protegida”, dizendo-se “profundamente preocupado” com os incêndios naquela que é uma das “mais importantes fontes de oxigénio e biodiversidade” do mundo.

Na última noite, milhares de pessoas protestaram na cidade de São Paulo contra a crise na Amazónia, provocada pelas queimadas e desflorestação, mas também contra o Governo liderado pelo Presidente Jair Bolsonaro.

O número de incêndios no Brasil aumentou exponencialmente este ano. Só na Amazónia, a maior floresta tropical do mundo, o número de fogos/queimadas quase duplicou.

De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais do Brasil a desflorestação neste pulmão do planeta Terra aumentou 278% em julho, em relação ao mesmo período de 2018.

 

(Foto: @GovernodoAmazonas)

Comentar

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Notícias Recentes

Papa Francisco apela à união em Moçambique

Foi frente a cerca de 80 mil fiéis, num dia de chuva, que o ...

Moçambique    07 setembro 2019

Papa encoraja jovens moçambicanos a serem tenazes

Francisco lembrou, a propósito, a figura de Eusébio. No enco...

Moçambique    06 setembro 2019

Guiné-Bissau e Moçambique vencem jogo de apuramento para o Mundial

Ambas as selecções ganharam por uma bola a zero no terreno d...

Geral    06 setembro 2019

Papa já está em Moçambique

Francisco chegou ontem a Maputo, tendo sido recebido em ambi...

Moçambique    05 setembro 2019

Presidente da América do Sul vão apelar à protecção da Amazónia

Chefes de Estado da região preparam, para amanhã, o lançamen...

Brasil    05 setembro 2019