O segundo partido da cena política guineense considera que há “malícias” no processo de recenseamento eleitoral a decorrer no país e que aquela responsável deveria ser substituída por “figura de reconhecida idoneidade”.

A reivindicação abrange também o afastamento do responsável pela base de dados do Gabinete Técnico de Apoio ao Processo Eleitoral, entre outros envolvidos no registo.

Aquela força política pretende, também, a convocação da empresa nigeriana envolvida no processo, a transferência da gestão do processo para o país e a mudança dos dados para um novo servidor.

Estas exigências – endereçadas em carta ao Presidente da República – são subscritas por vários partidos sem assento no Parlamento.

Estas forças políticas querem que “seja concluído o processo de recenseamento eleitoral e emitidos novos cartões de eleitores (…) fiáveis e dignificantes”, assim como a extinção das Comissões de Acompanhamento do processo, criadas pelo Primeiro-ministro, que por as considerarem ilegais.

Comentar

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Notícias Recentes

Pódios para surfistas brasileiros e portuguesa invisuais na Califórnia

Tem apenas 13 anos, chama-se Marta Jordão Paços e conquistou...

Geral    17 dezembro 2018

CPLP não pode ser vista como uma "comunidade de românticos"

A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, CPLP, tem de a...

Angola    17 dezembro 2018

São Vicente quer TACV a voar para a Ilha

Mais de mil pessoas marcharam, no Mindelo, pela reposição do...

Cabo Verde    17 dezembro 2018

Secretário-geral da OPEP visita Angola

A deslocação, de dois dias, contempla reuniões com o Preside...

Angola    17 dezembro 2018

UNITA exige mais no combate à corrupção em Angola

Para o principal partido da oposição o que o Presidente ango...

Angola    16 dezembro 2018