O segundo partido da cena política guineense considera que há “malícias” no processo de recenseamento eleitoral a decorrer no país e que aquela responsável deveria ser substituída por “figura de reconhecida idoneidade”.

A reivindicação abrange também o afastamento do responsável pela base de dados do Gabinete Técnico de Apoio ao Processo Eleitoral, entre outros envolvidos no registo.

Aquela força política pretende, também, a convocação da empresa nigeriana envolvida no processo, a transferência da gestão do processo para o país e a mudança dos dados para um novo servidor.

Estas exigências – endereçadas em carta ao Presidente da República – são subscritas por vários partidos sem assento no Parlamento.

Estas forças políticas querem que “seja concluído o processo de recenseamento eleitoral e emitidos novos cartões de eleitores (…) fiáveis e dignificantes”, assim como a extinção das Comissões de Acompanhamento do processo, criadas pelo Primeiro-ministro, que por as considerarem ilegais.

Comentar

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Notícias Recentes

Cabo Verde primeiro país africano a aderir à descarbonização dos transportes

A cerimónia de adesão à referida Aliança decorreu hoje, 24 d...

Cabo Verde    24 abril 2019

Tribunal reduz pena a Lula da Silva

O Superior Tribunal de Justiça do Brasil decidiu passar de 1...

Brasil    24 abril 2019

Aprovada proposta de lei para criação de autarquias em Angola

Foi aprovada, pelo Parlamento angolano, na generalidade, a p...

Angola    23 abril 2019

Presidente de Moçambique na China

Filipe Nyusi está, em Pequim, para participar no segundo Fór...

Moçambique    22 abril 2019

Países lusófonos entre a boa e a difícil situação no que toca a liberdade de imprensa

Portugal subiu dois lugares na classificação dos Repórteres ...

Geral    22 abril 2019