O entendimento, envolvendo PAIGC, PCD, PND, UN e PUN visa, em caso de vitória a 10 de Março, a criação de Governo inclusivo, envolvendo aquelas forças políticas. O pacto estabelece, também, a conciliação de posições, de incidência parlamentar, tendo em vista a revisão da Constituição da República e da legislação relativa aos partidos políticos e às eleições, bem como reformas na defesa e segurança, justiça e administração pública.

A convenção envolve, igualmente, a concertação permanente e a colaboração durante o processo eleitoral, nomeadamente o período da campanha. Durante a mesma vigorará, do mesmo modo, um pacto de não agressão,

Os cinco partidos têm tido posições idênticas durante o conflito que opôs o Presidente da República ao PAIGC, bem como nos processos de paz e eleitoral.

Das forças com assento no Parlamento, apenas o PRS, com a segunda maior representação, não participa na convergência.

É a primeira vez que organizações políticas da Guiné-Bissau assinam um acordo, de base eleitoral, tendo em vista a governação do país.

 

Foto: Óscar Barbosa lê o comunicado sobre o acordo assinado pelos cinco partidos.

Comentar

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Notícias Recentes

Cabo Verde primeiro país africano a aderir à descarbonização dos transportes

A cerimónia de adesão à referida Aliança decorreu hoje, 24 d...

Cabo Verde    24 abril 2019

Tribunal reduz pena a Lula da Silva

O Superior Tribunal de Justiça do Brasil decidiu passar de 1...

Brasil    24 abril 2019

Aprovada proposta de lei para criação de autarquias em Angola

Foi aprovada, pelo Parlamento angolano, na generalidade, a p...

Angola    23 abril 2019

Presidente de Moçambique na China

Filipe Nyusi está, em Pequim, para participar no segundo Fór...

Moçambique    22 abril 2019

Países lusófonos entre a boa e a difícil situação no que toca a liberdade de imprensa

Portugal subiu dois lugares na classificação dos Repórteres ...

Geral    22 abril 2019