O entendimento, envolvendo PAIGC, PCD, PND, UN e PUN visa, em caso de vitória a 10 de Março, a criação de Governo inclusivo, envolvendo aquelas forças políticas. O pacto estabelece, também, a conciliação de posições, de incidência parlamentar, tendo em vista a revisão da Constituição da República e da legislação relativa aos partidos políticos e às eleições, bem como reformas na defesa e segurança, justiça e administração pública.

A convenção envolve, igualmente, a concertação permanente e a colaboração durante o processo eleitoral, nomeadamente o período da campanha. Durante a mesma vigorará, do mesmo modo, um pacto de não agressão,

Os cinco partidos têm tido posições idênticas durante o conflito que opôs o Presidente da República ao PAIGC, bem como nos processos de paz e eleitoral.

Das forças com assento no Parlamento, apenas o PRS, com a segunda maior representação, não participa na convergência.

É a primeira vez que organizações políticas da Guiné-Bissau assinam um acordo, de base eleitoral, tendo em vista a governação do país.

 

Foto: Óscar Barbosa lê o comunicado sobre o acordo assinado pelos cinco partidos.

Comentar

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Notícias Recentes

Carlos Gomes Júnior apresenta candidatura a Presidente da Guiné-Bissau

O antigo Primeiro-Ministro guineense promete lutar, de forma...

Guiné-Bissau    14 agosto 2019

Presidente de Timor solicita constitucionalidade de diplomas aprovados no Parlamento

Em causa está a nova formulação das Leis do Fundo Petrolífer...

Timor-Leste    13 agosto 2019

Alemanha suspende investimentos no Brasil

Na base da decisão está a política ambiental do Governo Bras...

Brasil    12 agosto 2019

Companhia Aérea de Cabo Verde retoma voos domésticos

A empresa vai operar para as ilhas de Santiago e São Vicente...

Cabo Verde    12 agosto 2019

Há 500 anos começava a primeira viagem de circum-navegação

Há 500 anos o português Fernão de Magalhães e o espanhol Seb...

Portugal    10 agosto 2019