O dirigente do maior partido moçambicano desaparece aos 65 anos, num momento crucial para a paz no país. Ainda não foram divulgadas as causas do seu falecimento. Sabe-se, no entanto, que o político aguardava transporte para o Hospital de Pretória, a fim de ser submetido a tratamento de urgência.

A notícia colheu de “surpresa” e “muita dor” o partido no poder. A Frelimo considera-o – na mensagem de condolências – “um parceiro estratégico para a paz e estabilidade no país”.

O Presidente português lamenta a morte do “interlocutor privilegiado nos caminhos do diálogo, da paz e da concórdia” no “país irmão” de Portugal.

O Governo português acolheu-a “com profundo pesar”, destacando o “empenhamento” do político “no processo que levou à assinatura do Acordo Geral de Paz em 1992” e na trégua, de Dezembro de 2016, que pôs fim ao conflito político militar entre a Renamo e o regime moçambicano.

O executivo luso faz votos para que a morte de Afonso Dhlakama  não afecte o processo de “paz e a reconciliação” em curso no país.

Comentar

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Notícias Recentes

CEDEAO quer fim de contenda eleitoral

A Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, que ...

Guiné-Bissau    12 fevereiro 2020

Novo governo moçambicano toma posse

Tomou posse, dois dias depois da investidura de Filipe Nyusi...

Moçambique    18 janeiro 2020

Filipe Nyusi toma posse para um segundo mandato

Filipe Nyusi tomou posse, esta quarta-feira, para um segundo...

Moçambique    16 janeiro 2020

Umaro Sissoco Embaló eleito Presidente da Guiné-Bissau

O candidato do MADEM ultrapassou Domingos Simões Pereira por...

Guiné-Bissau    01 janeiro 2020

Guineenses votam para Presidente da República

Os eleitores da Guiné-Bissau encolhem entre Domingos Simões ...

Guiné-Bissau    29 dezembro 2019