O órgão pretende uma “acção enérgica” das Forças de Defesa e Segurança, para “elevar o nível de protecção das populações e seus bens contra as barbaridades dos malfeitores” naquela Província do Norte de Moçambique.

A estrutura, reunida ontem, 27 de Junho, analisou com “profundidade” os ataques registados em Cabo Delgado, considerando “urgente” que a situação volte à normalidade naquela Província.

O Norte de Moçambique tem sido fustigado pela acção de grupos armadas têm semeado a violência e a destruição. Mais de 30 pessoas foram assassinadas e dezenas de habitações pilhadas e incendiadas. A situação provocou já centenas de refugiados.

No último ataque, em Maganja, na sexta-feira, foram mortas cinco pessoas e queimadas e saqueadas mais de 100 casas.

A entidade exorta também os militares e a polícia a continuarem a apoiar as populações na reconstrução das suas habitações.

Os ataques começaram ao mesmo tempo que estão a avançar obras para exploração de gás natural em Cabo Delgado.

 

Comentar

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Notícias Recentes

Ao terceiro jogo angolanas ganham e Brasileiras perdem no Mundial de Andebol feminino

A terceira jornada da fase de grupos da competição ditou a p...

Geral    04 dezembro 2019

Primeiro-Ministro de Timor defende Orçamento Geral do Estado

Taur Matan Ruak considera que a despesa inscrita no document...

Timor-Leste    03 dezembro 2019

Governo estuda privatização do Banco do Brasil

A proposta está a ser elaborada pelo Ministério da Economia ...

Brasil    03 dezembro 2019

Sortes diferentes para angolanas e brasileiras no Mundial de Andebol

Na segunda jornada da prova, as representantes de Angola per...

Geral    03 dezembro 2019

Portugal vence Mundial de Futebol de Praia

É a terceira vez que a selecção lusa concretiza esse objecti...

Portugal    02 dezembro 2019