Os malfeitores mataram quatro pessoas, feriram gravemente uma, assim como saquearam e incendiaram cinco habitações. A acção ocorreu em Cacanga, a 15 quilómetros de Palma, na Província de Cabo Delgado.

Desde 22 de Junho que não ocorriam ataques no Norte de Moçambique. O último sucedeu em Manganja, no mesmo Distrito. Estas iniciativas, nunca reivindicadas, fizeram, este ano, mais de 30 mortos, e provocaram a fuga de milhares de habitantes da região.

As acções violentam ocorrem no momento em que avançam investimentos em Cabo Delgado, visando a exploração de gás natural. No entanto, não têm atingido a área em que as companhias petrolíferas estão a operar.

Segundo investigadores a onda de violência naquela Província pode estar ligada a redes internacionais de tráfico de heroína, marfim, rubís ou madeira, e ainda a grupos radicais islâmicos.

As autoridades abateram 11 agressores e fizeram centenas de detenções, mas continuam a ser parcas em informações sobre esta onda de violência.

 

Comentar

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Notícias Recentes

CEDEAO quer fim de contenda eleitoral

A Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, que ...

Guiné-Bissau    12 fevereiro 2020

Novo governo moçambicano toma posse

Tomou posse, dois dias depois da investidura de Filipe Nyusi...

Moçambique    18 janeiro 2020

Filipe Nyusi toma posse para um segundo mandato

Filipe Nyusi tomou posse, esta quarta-feira, para um segundo...

Moçambique    16 janeiro 2020

Umaro Sissoco Embaló eleito Presidente da Guiné-Bissau

O candidato do MADEM ultrapassou Domingos Simões Pereira por...

Guiné-Bissau    01 janeiro 2020

Guineenses votam para Presidente da República

Os eleitores da Guiné-Bissau encolhem entre Domingos Simões ...

Guiné-Bissau    29 dezembro 2019