Só na Reserva do Niassa, nos últimos sete anos, foram abatidos – de forma ilícita – mais de 16 mil paquidermes. Segundo dados oficiais, na referida área protegida existem, agora, pouco mais de três mil e 600 elementos da espécie, quando em 2009 eram mais de 20 mil.

A caça furtiva e o comércio ilegal de marfim estão na base deste problema que pode levar à extinção dos elefantes no norte de Moçambique.

A maior área protegida de Moçambique alberga outros animais protegidos, também ameaçados de extinção, nomeadamente rinocerontes e mabecos

A Reserva do Niassa, com 42 mil quilómetros quadrados de superfície, está localizada na Província de Cabo Delgado, um território alvo de bandos armados que têm incendiado aldeias e matado dezenas de pessoas. Os grupos criminosos – não identificados – são responsáveis pelo êxodo das populações.

Comentar

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Notícias Recentes

Filipe Nyusi toma posse para um segundo mandato

Filipe Nyusi tomou posse, esta quarta-feira, para um segundo...

Moçambique    16 janeiro 2020

Umaro Sissoco Embaló eleito Presidente da Guiné-Bissau

O candidato do MADEM ultrapassou Domingos Simões Pereira por...

Guiné-Bissau    01 janeiro 2020

Guineenses votam para Presidente da República

Os eleitores da Guiné-Bissau encolhem entre Domingos Simões ...

Guiné-Bissau    29 dezembro 2019

Ponte desaba no Norte de Moçambique

A queda da infraestrutura deixa milhares de pessoas isoladas...

Moçambique    28 dezembro 2019

Autoridades portuguesas desmantelam rede de imigração ilegal

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras desarticulou um grupo...

Portugal    22 dezembro 2019