O instrumento de gestão da Assembleia, para 2019, prevê custos superiores a 20 milhões de euros, menos cerca de um por cento do que o deste ano. Mais de metade do bolo vai para “outras despesas com o pessoal”, à qual se junta cerca de dois por cento também com salários e remunerações.

De acordo com a direcção parlamentar, o Orçamento visa melhora a ligação dos deputados com os seus círculos eleitorais, bem como permitir a modernização do Parlamento, através da aquisição de tecnologias de informação e comunicação.

Para a rubrica de investimentos, os parlamentares moçambicanos destinaram pouco mais de meio por cento, enquanto que a fatia para a aquisição de bens e serviços se resume a metade daquele valor.

As linhas mestras das finanças da Assembleia da República   foram aprovadas não só com os votos da Frelimo, no poder, como também da Renamo e MDM, na oposição.

Comentar

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Notícias Recentes

Luto Nacional em Cabo Verde por morte do 1º bispo cabo-verdiano

O governo de Cabo Verde decretou dois dias de Luto Nacional ...

Cabo Verde    19 junho 2019

Presidenciais agendadas para 24 de novembro na Guiné-Bissau

O Presidente da República da Guiné-Bissau agendou, para 24 d...

Guiné-Bissau    19 junho 2019

Cimeira de Negócios Estados Unidos e África decorre em Maputo

A iniciativa vai de hoje a sexta-feira, envolvendo delegaçõe...

Moçambique    18 junho 2019

Fim da crise política na Guiné-Bissau?

A poucos dias do final do seu mandato, enquanto presidente d...

Guiné-Bissau    18 junho 2019

Corrupção e novos rostos no VII Congresso Extraordinário do MPLA

O VII Congresso Extraordinário do MPLA terminou com novidade...

Angola    18 junho 2019