O principal partido da oposição considera que não está a ser cumprido o acordado no que toca à nomeação de oficiais do seu exército para as Forças Armadas do País. Até ao momento, apenas três foram indigitados para cargos de chefia, quando o memorando de paz previa 14.

O Ministro da Defesa é acusado de “desrespeitar” o memorando, dando a entender que existem “dois comandos” nas “Forças de Defesa”

A força política também crítica a o facto de terem sido feitas a título interino, ao contrário do que estabelece o pacto assinado Prelos Presidentes do país e do partido da perdiz.

A Renamo manifestou a sua indignação pela “lentidão” com que o acordo está a ser aplicado pelas autoridades moçambicanas.

A organização renovou, também, a rejeição dos resultados eleitorais em alguns municípios moçambicanos onde, defende, venceu as eleições autárquicas.

O partido apela, uma vez mais, ao Chefe de Estado para repor a “verdade eleitoral”, pedindo às entidades nacionais e internacionais que o ajudem nessa reivindicação.

Comentar

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Notícias Recentes

Presidente moçambicano vai condecorar veteranos da luta pela libertação

Filipe Nyusi anunciou, no sábado, na Praça dos Heróis Moçamb...

Todas as Notícias    03 fevereiro 2019

Museu do Campo de Concentração do Tarrafal recebe 9000 visitas

Foram 22096 as pessoas que visitaram, em 2018, os museus de ...

Cabo Verde    03 fevereiro 2019

Luanda recebe navios encomendados por José Eduardo dos Santos

Chegaram a Angola seis dos 17 navios patrulha encomendados, ...

Angola    02 fevereiro 2019

Cinco partidos da Guiné-Bissau assinam acordo eleitoral

O entendimento, envolvendo PAIGC, PCD, PND, UN e PUN visa, e...

Guiné-Bissau    01 fevereiro 2019

Desastres como os de Mariana e Brumadinho podem repetir-se no Brasil

No país, mais de 700 barragens apresentam risco de ruptura c...

Brasil    01 fevereiro 2019