O principal partido da oposição considera que não está a ser cumprido o acordado no que toca à nomeação de oficiais do seu exército para as Forças Armadas do País. Até ao momento, apenas três foram indigitados para cargos de chefia, quando o memorando de paz previa 14.

O Ministro da Defesa é acusado de “desrespeitar” o memorando, dando a entender que existem “dois comandos” nas “Forças de Defesa”

A força política também crítica a o facto de terem sido feitas a título interino, ao contrário do que estabelece o pacto assinado Prelos Presidentes do país e do partido da perdiz.

A Renamo manifestou a sua indignação pela “lentidão” com que o acordo está a ser aplicado pelas autoridades moçambicanas.

A organização renovou, também, a rejeição dos resultados eleitorais em alguns municípios moçambicanos onde, defende, venceu as eleições autárquicas.

O partido apela, uma vez mais, ao Chefe de Estado para repor a “verdade eleitoral”, pedindo às entidades nacionais e internacionais que o ajudem nessa reivindicação.

Comentar

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Notícias Recentes

CEDEAO quer fim de contenda eleitoral

A Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, que ...

Guiné-Bissau    12 fevereiro 2020

Filipe Nyusi toma posse para um segundo mandato

Filipe Nyusi tomou posse, esta quarta-feira, para um segundo...

Moçambique    16 janeiro 2020

Umaro Sissoco Embaló eleito Presidente da Guiné-Bissau

O candidato do MADEM ultrapassou Domingos Simões Pereira por...

Guiné-Bissau    01 janeiro 2020

Guineenses votam para Presidente da República

Os eleitores da Guiné-Bissau encolhem entre Domingos Simões ...

Guiné-Bissau    29 dezembro 2019

Ponte desaba no Norte de Moçambique

A queda da infraestrutura deixa milhares de pessoas isoladas...

Moçambique    28 dezembro 2019