A organização concedeu um empréstimo de emergência no valor de 105 milhões de euros. A verba, de acordo com aquela entidade, destina-se não só a colmatar as necessidades imediatas do país, como também a servir de motor à captação de fundos da comunidade internacional.

A instituição considera que a maior parte da ajuda de emergência e das necessidades de reconstrução têm de ser cobertas pela comunidade internacional, sobretudo na forma de donativos, para assegurar a sustentabilidade da dívida moçambicana.

O Fundo Monetário Internacional pretende, por outro lado, que o executivo moçambicano continue a melhorar a transparência, a governança e a prestação de contas.

Neste âmbito, aquele organismo anunciou que as autoridades de Moçambique, com o seu apoio, estão a preparar um relatório sobre governança e corrupção, para assegurar que os recursos públicos são usados da forma devida.

O FMI exige também que Estado moçambicano crie almofadas orçamentais a pensar em futuros desastres e aumente a capacidade de resposta da economia às mudanças climáticas.

Por outro lado, pretendem que a administração pública continue a vigiar possíveis efeitos secundários na inflação, devido aos choques sobre a oferta causados pelo ciclone. Bem como continuem a trabalhar para a estabilidade macroeconómica do país.

O ciclone Idai, que afectou mais de mil e 500 pessoas em Moçambique, provocou centenas de mortos e desaparecidos no país.

O Governo moçambicano prevê o desvio de verbas de investimentos de baixa prioridade para assistência de emergência e reconstrução.

O Fundo considera que aquela tempestade foi p pior e o mais caro desastre natural a atingir Moçambique.

Comentar

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Notícias Recentes

Um milhão de euros para apoiar Presidenciais guineenses

A União Europeia vai apoiar a realização das eleições Presid...

Guiné-Bissau    02 outubro 2019

Prata para Portugal nos Mundiais de Atletismo

O atleta português João Vieira, de 43 anos, conquistou a med...

Portugal    01 outubro 2019

Empresa internacionais deixam de comprar produtos brasileiros

Entre essas firmas, encontram-se as marcas Timberland, Vanda...

Brasil    29 setembro 2019

Seca agrava-se no Sul de Angola

A falta de chuva está a afectar mais de dois milhões de pess...

Angola    27 setembro 2019

Pesticidas matam milhões de abelhas no Brasil

São milhões os enxames que desapareceram no sul do país. A r...

Brasil    25 setembro 2019