As autoridades moçambicanas confirmam o termo desse processo, não obstante o pedido de adiamento e as críticas da RENAMO. O segundo maior partido do país considera que a FRELIMO e o Governo estão a recorrer a “manobras fraudulentas” para se “perpetuarem no poder”.

O partido da perdiz refere a existência de “irregularidades”, nomeadamente o “início tardio deliberado” dos trabalhos de actualização dos cadernos eleitorais, com maior incidência nas “zonas de forte influência!" do partido, e a promoção de “dupla inscrição de funcionários públicos, sobretudo professores e enfermeiros”.

Em face destas denuncias, a força política presidida por Ossufo Momade exige a “demissão imediata” do Director-Geral do Secretariado Técnico da Administração Eleitoral.

O recenseamento abrange novos os cidadãos que completam 18 anos este ano, bem como os que não se recensearam no ano passado. Estão também incluídos neste processo aqueles que perderam o cartão de eleitor.

A operação, iniciada a 15 de Abril, tinha como meta o registo de sete milhões de eleitores, mas esse número não foi atingido.

A 15 de Outubro, os moçambicanos vão eleger o Presidente da República, os deputados bem como os seus representantes regionais.

 

Comentar

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Notícias Recentes

Um milhão de euros para apoiar Presidenciais guineenses

A União Europeia vai apoiar a realização das eleições Presid...

Guiné-Bissau    02 outubro 2019

Prata para Portugal nos Mundiais de Atletismo

O atleta português João Vieira, de 43 anos, conquistou a med...

Portugal    01 outubro 2019

Empresa internacionais deixam de comprar produtos brasileiros

Entre essas firmas, encontram-se as marcas Timberland, Vanda...

Brasil    29 setembro 2019

Seca agrava-se no Sul de Angola

A falta de chuva está a afectar mais de dois milhões de pess...

Angola    27 setembro 2019

Pesticidas matam milhões de abelhas no Brasil

São milhões os enxames que desapareceram no sul do país. A r...

Brasil    25 setembro 2019