Os Estados Unidos da América, a França e o Reino Unido lançaram, na última noite, um ataque contra alvos sírios. O objetivo foi, esclarecem, atingir instalações ligadas à produção e armazenamento de armas químicas, do governo de Bashar al-Assad. 

Uma ação que surge depois do regime sírio, diz a comunidade internacional, ter lançado um ataque com armas químicas, o segundo, no seu próprio país, uma iniciativa proibida pelas Leis internacionais. O presidente francês, antes do bombardeamento, tinha afirmado ter provas de que o ataque aconteceu, de facto, e foi conduzido pelo regime sírio. Já depois, a Primeira-ministra britânica, que não consultou o Parlamento antes de decidir-se pelo ataque, e será ouvida esta segunda-feira pela Assembleia para esclarecer a decisão, afirmava não haver dúvidas sobre essa matéria.

Por seu lado a Rússia, aliada de Bashar al-Assad afirmou desde sempre que o alegado ataque foi conduzido por rebeldes e que tinha como fim responsabilizar o regime.

Comentar

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Notícias Recentes

Um milhão de euros para apoiar Presidenciais guineenses

A União Europeia vai apoiar a realização das eleições Presid...

Guiné-Bissau    02 outubro 2019

Prata para Portugal nos Mundiais de Atletismo

O atleta português João Vieira, de 43 anos, conquistou a med...

Portugal    01 outubro 2019

Empresa internacionais deixam de comprar produtos brasileiros

Entre essas firmas, encontram-se as marcas Timberland, Vanda...

Brasil    29 setembro 2019

Seca agrava-se no Sul de Angola

A falta de chuva está a afectar mais de dois milhões de pess...

Angola    27 setembro 2019

Pesticidas matam milhões de abelhas no Brasil

São milhões os enxames que desapareceram no sul do país. A r...

Brasil    25 setembro 2019