Os Estados Unidos da América, a França e o Reino Unido lançaram, na última noite, um ataque contra alvos sírios. O objetivo foi, esclarecem, atingir instalações ligadas à produção e armazenamento de armas químicas, do governo de Bashar al-Assad. 

Uma ação que surge depois do regime sírio, diz a comunidade internacional, ter lançado um ataque com armas químicas, o segundo, no seu próprio país, uma iniciativa proibida pelas Leis internacionais. O presidente francês, antes do bombardeamento, tinha afirmado ter provas de que o ataque aconteceu, de facto, e foi conduzido pelo regime sírio. Já depois, a Primeira-ministra britânica, que não consultou o Parlamento antes de decidir-se pelo ataque, e será ouvida esta segunda-feira pela Assembleia para esclarecer a decisão, afirmava não haver dúvidas sobre essa matéria.

Por seu lado a Rússia, aliada de Bashar al-Assad afirmou desde sempre que o alegado ataque foi conduzido por rebeldes e que tinha como fim responsabilizar o regime.

Comentar

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Notícias Recentes

Presidente de Timor solicita constitucionalidade de diplomas aprovados no Parlamento

Em causa está a nova formulação das Leis do Fundo Petrolífer...

Timor-Leste    13 agosto 2019

Alemanha suspende investimentos no Brasil

Na base da decisão está a política ambiental do Governo Bras...

Brasil    12 agosto 2019

Há 500 anos começava a primeira viagem de circum-navegação

Há 500 anos o português Fernão de Magalhães e o espanhol Seb...

Portugal    10 agosto 2019

Angola e Cabo Verde acordam fim da dupla tributação

Os governos de Angola e Cabo Verde assinaram, quinta-feira e...

Geral    09 agosto 2019

Umaro Sissoco Embaló é candidato às Presidenciais

O MADEM-G15, Movimento para a Alternância Democrata – G15, r...

Guiné-Bissau    09 agosto 2019