No seu primeiro balanço, o executivo revela a existência de dívidas “exorbitantes” com os bancos comerciais, salários em atraso na função pública, que atinge os três meses no sector diplomático.

Os novos administradores do país depararam-se, também, com falta de “condições” para garantir as refeições escolares” e alguns bens alimentares de primeira necessidade em ruptura.

Os governantes consideram, por outro lado, que o aparelho central se encontra num estado de desorganização preocupante.

Na primeira reunião do Conselho de Ministros, presidido por Jorge Bom Jesus, saíram duas orientações, uma de redução das propinas para permitir o acesso ao ensino dos alunos que, por razões financeiras, estão fora do sistema escolar. A outra tem a ver com a diminuição dos emolumentos cobrados pelos serviços notariais, nomeadamente na passagem de documentos a estudantes.

No encontro foi também decidida a mudança da Administração da Empresa de Água e Electricidade, bem como a tomada de decisões para “mitigar” a crise energética que afecta o país.

Comentar

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Notícias Recentes

Presidente moçambicano vai condecorar veteranos da luta pela libertação

Filipe Nyusi anunciou, no sábado, na Praça dos Heróis Moçamb...

Todas as Notícias    03 fevereiro 2019

Museu do Campo de Concentração do Tarrafal recebe 9000 visitas

Foram 22096 as pessoas que visitaram, em 2018, os museus de ...

Cabo Verde    03 fevereiro 2019

Luanda recebe navios encomendados por José Eduardo dos Santos

Chegaram a Angola seis dos 17 navios patrulha encomendados, ...

Angola    02 fevereiro 2019

Cinco partidos da Guiné-Bissau assinam acordo eleitoral

O entendimento, envolvendo PAIGC, PCD, PND, UN e PUN visa, e...

Guiné-Bissau    01 fevereiro 2019

Desastres como os de Mariana e Brumadinho podem repetir-se no Brasil

No país, mais de 700 barragens apresentam risco de ruptura c...

Brasil    01 fevereiro 2019