Dar um novo impulso à cooperação entre São Tomé e Príncipe e Angola, dois países lusófonos, é o objetivo da deslocação do Primeiro-ministro são-tomense a Luanda, a sua primeira visita oficial ao estrangeiro. Jorge Bom Jesus - que se faz acompanhar dos ministros dos Negócios Estrangeiros, Cooperação e Comunidade, Elsa Pinto, e do Planeamento, Finanças e Economia Azul, Osvaldo Abreu - iniciou, esta terça-feira, uma visita de dois dias ao país consciente de que a relação entre os dois PALOP, Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa, tem vivido "altos e baixos nos últimos tempos"O chefe do executivo são-tomense falava aos jornalistas antes da partida para a capital angolana.

"(...) é um país amigo com o qual temos relações bastante profundas, históricas, políticas e culturais e vamos, precisamente, para darmos um novo impulso a essa cooperação que tem conhecido altos e baixos nos últimos tempos e que é necessário reativar", afirmou o responsável pelo governo.

As relações entre Angola e São Tomé e Príncipe viram-se crispadas devido a uma contenda sobre a cervejeira Rosema, localizada em Guadalupe, em território são-tomense, e que opõe o empresário angolano Mello Xavier e os irmãos, são-tomenses, Monteiro. A questão chegou à barra do tribunal mas com decisões judiciais contraditórias. Em maio de 2018 um juiz, em resposta a uma providência cautelar interposta pelos irmãos Monteiro, anulava o acórdão do Supremo Tribunal de Justiça, emitido em abril do mesmo ano, e entregava, com efeito imediato, o controlo da referida fábrica à Sociedade Irmãos Monteiro. O juiz acabou suspenso, pelo Conselho Superior dos Magistrados Judiciais, por ter ido contra uma decisão do Supremo. 

A Rosema, única cervejeira são-tomense, foi construída por alemães da antiga República Democrática da Alemanha. Nos anos 90 seria vendida, em hasta pública, pelo governo são-tomense à empresa angolana Ridux, do empresário Mello Xavier. Em 2009 um dos seus sócios interpôs um processo contra si, em Luanda, o que levou o Tribunal Marítimo da capital angolana a pedir ao Supremo Tribunal de São Tomé a penhora dos bens do empresário angolano no país. A decisão acabaria revogada pela mesma instância, mas a fábrica já estava a ser gerida pelo empresário são-tomense Domingos Monteiro.

Sobre esta complicada matéria o Primeiro-ministro são-tomense esclarece que acredita que a questão venha a ser abordada nos seus encontros com as autoridades angolanas.

 

 

Comentar

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Notícias Recentes

Presidente de Timor solicita constitucionalidade de diplomas aprovados no Parlamento

Em causa está a nova formulação das Leis do Fundo Petrolífer...

Timor-Leste    13 agosto 2019

Alemanha suspende investimentos no Brasil

Na base da decisão está a política ambiental do Governo Bras...

Brasil    12 agosto 2019

Há 500 anos começava a primeira viagem de circum-navegação

Há 500 anos o português Fernão de Magalhães e o espanhol Seb...

Portugal    10 agosto 2019

Angola e Cabo Verde acordam fim da dupla tributação

Os governos de Angola e Cabo Verde assinaram, quinta-feira e...

Geral    09 agosto 2019

Umaro Sissoco Embaló é candidato às Presidenciais

O MADEM-G15, Movimento para a Alternância Democrata – G15, r...

Guiné-Bissau    09 agosto 2019