Está aberta a guerra entre a Polícia Judiciária de São Tomé e Príncipe e a Procuradoria-Geral do mesmo país. As recentes declarações de Kelve Carvalho, o Procurador-Geral da República, caíram mal no seio do referido organismo policial.

A PJ deteve o antigo titular da pasta das Finanças, Comércio e Economia Azul do executivo de Patrice trovoada, Américo Ramos, que era, atualmente, assessor do Chefe de Estado. Em causa estão dois contratos de empréstimo ao Estado assinados, em 2015 e em 2016, pelo então ministro do governo de Patrice Trovoada, representando mais de 41 milhões de euros. Um deles terá sido financiado pela China International Funs Limeted para a construção da Cidade Administrativa de São Tomé, projecto nunca saiu da gaveta e desconhece-se o paradeiro do dinheiro. 

Na sequência desta detenção Kelve Carvalho insurgia-se contra a ação da PJ afirmando, no passado dia cinco:

“O Ministério Público condena, veementemente, este modo de actuar da Polícia Judiciária e irá usar todas as suas prerrogativas para o controlo e restabelecimento da legalidade. (...) O titular exclusivo da ação penal é o Ministério Público. A Polícia Judiciária apenas coadjuva o Ministério Público nesta tarefa sempre sobre a sua superintendência e supervisão no decurso da instrução preparatória, judicialmente conformada, quando, e só quando, o Ministério Púbico delega essas competências".

Em comunicado, assinado pela Diretora da PJ, Maribel Rocha, Polícia Judiciária diz-se insultada e ameaçada pelo PGR acrescentado que o "tom e ligeireza com que foram proferidas" as palavras demonstram "uma inaceitável falta de respeito mútuo que deve existir entre instituições do estado que colaboram e que têm como missão principal a luta contra a criminalidade em geral e, em particular, contra crimes económicos e financeiros, como a corrupção, que têm lesado a economia nacional (...)", lê-se no documento.

A PJ, que é apoiada pelo atual executivo são-tomense, esclarece ainda que, no âmbito da queixa crime apresentada contra antigos ministros do governo cessante, "e após análise detalhada da denúncia", concluiu-se que existem provas suficientes dos atos de que estão acusados:

"(...) existem indícios, mais do que suficientes, da prática pelos denunciados dos crimes de participação económica em negócios, enriquecimento ilícito, corrupção passiva para atos ilícitos e branqueamento de capitais".

A PJ adianta ainda, no comunicado, que o "nº 5 do artigo 3 da lei 1/2018 consagra poderes ao órgão de polícia criminal, no caso a Polícia Judiciária, para desenvolver a investigação criminal assim que tiver a notícia do crime ou por determinação da autoridade judiciária, que seria o Ministério Público".    

As autoridades locais acreditavam que o ex-governante se preparava para deixar o país, quando decidiram detê-lo. A PJ impediu ainda o antigo ministro das Obras Públicas e Infraestruturas, Carlos Vila Nova, de abandonar São Tomé enquanto o o intimava a comparecer na PJ para interrogatório. 

O antigo Primeiro-ministro Patrice Trovoada, que está fora do país há largos meses, está também na mira da PJ, no âmbito do mesmo processo.

Comentar

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Notícias Recentes

Cabo Verde primeiro país africano a aderir à descarbonização dos transportes

A cerimónia de adesão à referida Aliança decorreu hoje, 24 d...

Cabo Verde    24 abril 2019

Tribunal reduz pena a Lula da Silva

O Superior Tribunal de Justiça do Brasil decidiu passar de 1...

Brasil    24 abril 2019

Aprovada proposta de lei para criação de autarquias em Angola

Foi aprovada, pelo Parlamento angolano, na generalidade, a p...

Angola    23 abril 2019

Presidente de Moçambique na China

Filipe Nyusi está, em Pequim, para participar no segundo Fór...

Moçambique    22 abril 2019

Países lusófonos entre a boa e a difícil situação no que toca a liberdade de imprensa

Portugal subiu dois lugares na classificação dos Repórteres ...

Geral    22 abril 2019