O país deve cerca de 280 milhões de euros a entidades estrangeiras, entre as quais se encontram bancos comerciais. Este encargo, herdado do anterior executivo, é considerado, pelo Primeiro-Ministro, como “quase insustentável”.

Nestas circunstâncias, o Chefe do Governo de São Tomé e Príncipe pretende iniciar negociações com aqueles que emprestaram dinheiro ao país, tendo como objectivo o perdão da dívida.

Jorge Bom Jesus ainda não anunciou publicamente que contrapartidas pretende apresentar.

No entanto, o dirigente anunciou, em Lisboa, que está empenhado em combater a corrupção, contando com os recursos do país – humanos, marítimos, aéreos e petrolíferos – para tirar o país “do buraco em que se encontra”.

O Governante estima que, resolvida a questão da dívida, a economia do país pode crescer a dois dígitos, tendo como alavanca vários projectos de desenvolvimento que foram apresentados às autoridades chinesas, para financiamento, no âmbito da cooperação entre os dois Estados.

O Fundo Monetário Internacional encontrou um buraco financeiro, superior a 60 milhões de euros, escondida pelo Governo de Patrice Trovoada da organização, dos parceiros internacionais e do Parlamento nacional. De acordo com a entidade, a verba tornou a dívida do país “praticamente descontrolada”.

Comentar

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Notícias Recentes

CEDEAO quer fim de contenda eleitoral

A Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, que ...

Guiné-Bissau    12 fevereiro 2020

Novo governo moçambicano toma posse

Tomou posse, dois dias depois da investidura de Filipe Nyusi...

Moçambique    18 janeiro 2020

Filipe Nyusi toma posse para um segundo mandato

Filipe Nyusi tomou posse, esta quarta-feira, para um segundo...

Moçambique    16 janeiro 2020

Umaro Sissoco Embaló eleito Presidente da Guiné-Bissau

O candidato do MADEM ultrapassou Domingos Simões Pereira por...

Guiné-Bissau    01 janeiro 2020

Guineenses votam para Presidente da República

Os eleitores da Guiné-Bissau encolhem entre Domingos Simões ...

Guiné-Bissau    29 dezembro 2019