O órgão de soberania invalidou os resultados na autarquia por ter concluído que, durante o processo eleitoral, se registaram “graves irregularidades” que influenciaram o resultado da votação em oito das 39 mesas de voto.

A Renamo recorrera da vitória da Frelimo por considerar que os números apresentados nos editais não correspondiam à realidade. O principal partido da oposição contestou os resultados em mais quatro municípios, mas as suas pretensões não foram atendidas pelo Conselho Constitucional.

A força política reivindica a vitória não só em Marromeu, mas também em Monapo, Alto Molocué, Moatize e Matola.

No entanto, aquele juízo superior acabou por validar o apuramento eleitoral naquelas autarquias, bem como nas restantes 47 por considerar que “as ilegalidades e irregularidades verificadas” e analisadas, “não influenciaram os resultados”.

Assim, a Frelimo dispõe de maioria em 43 municípios, a Renamo, oito, e o MDM, um.

De acordo com a legislação moçambicana, a eleição em Marromeu tem de ser repetida até 25 de Novembro, em data a fixar pelo Conselho de Ministros sob proposta da Comissão Nacional de Eleições.

Comentar

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Notícias Recentes

CEDEAO quer fim de contenda eleitoral

A Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, que ...

Guiné-Bissau    12 fevereiro 2020

Novo governo moçambicano toma posse

Tomou posse, dois dias depois da investidura de Filipe Nyusi...

Moçambique    18 janeiro 2020

Filipe Nyusi toma posse para um segundo mandato

Filipe Nyusi tomou posse, esta quarta-feira, para um segundo...

Moçambique    16 janeiro 2020

Umaro Sissoco Embaló eleito Presidente da Guiné-Bissau

O candidato do MADEM ultrapassou Domingos Simões Pereira por...

Guiné-Bissau    01 janeiro 2020

Guineenses votam para Presidente da República

Os eleitores da Guiné-Bissau encolhem entre Domingos Simões ...

Guiné-Bissau    29 dezembro 2019