O plano do Governo abrange empresas públicas dos sectores das telecomunicações, petróleo, banca, seguros, minas e agricultura.

De acordo com o FMI, as autoridades de Luanda assumiram o objectivo de minimizar o envolvimento estatal directo na economia.

O programa, para o horizonte temporal de três anos, prevê a venda de mais de uma centenas de companhias estatais – indicadas como “não estratégicas” pelo Fundo Monetário Internacional – bem como o encerramento de outras, consideradas “não viáveis”, e a colocação no mercado de participações.

Segundo a Secretária das Finanças e Tesouro de Angola, como “o Estado não é bom a gerir empresas”. Neste contexto, Vera Daves defende que Angola deve deixar “quem tem mais talento, a tornar as empresas mais lucrativas, para criarem empregos e ajudarem o país a crescer mais”.

O projecto de privatizações envolve o Governo, a Comissão do Mercado de Capitais e o Instituto de Gestão de Activos e Participações do Estado.

Comentar

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Notícias Recentes

Cabo Verde primeiro país africano a aderir à descarbonização dos transportes

A cerimónia de adesão à referida Aliança decorreu hoje, 24 d...

Cabo Verde    24 abril 2019

Tribunal reduz pena a Lula da Silva

O Superior Tribunal de Justiça do Brasil decidiu passar de 1...

Brasil    24 abril 2019

Aprovada proposta de lei para criação de autarquias em Angola

Foi aprovada, pelo Parlamento angolano, na generalidade, a p...

Angola    23 abril 2019

Presidente de Moçambique na China

Filipe Nyusi está, em Pequim, para participar no segundo Fór...

Moçambique    22 abril 2019

Países lusófonos entre a boa e a difícil situação no que toca a liberdade de imprensa

Portugal subiu dois lugares na classificação dos Repórteres ...

Geral    22 abril 2019