O plano do Governo abrange empresas públicas dos sectores das telecomunicações, petróleo, banca, seguros, minas e agricultura.

De acordo com o FMI, as autoridades de Luanda assumiram o objectivo de minimizar o envolvimento estatal directo na economia.

O programa, para o horizonte temporal de três anos, prevê a venda de mais de uma centenas de companhias estatais – indicadas como “não estratégicas” pelo Fundo Monetário Internacional – bem como o encerramento de outras, consideradas “não viáveis”, e a colocação no mercado de participações.

Segundo a Secretária das Finanças e Tesouro de Angola, como “o Estado não é bom a gerir empresas”. Neste contexto, Vera Daves defende que Angola deve deixar “quem tem mais talento, a tornar as empresas mais lucrativas, para criarem empregos e ajudarem o país a crescer mais”.

O projecto de privatizações envolve o Governo, a Comissão do Mercado de Capitais e o Instituto de Gestão de Activos e Participações do Estado.

Comentar

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Notícias Recentes

Presidente moçambicano vai condecorar veteranos da luta pela libertação

Filipe Nyusi anunciou, no sábado, na Praça dos Heróis Moçamb...

Todas as Notícias    03 fevereiro 2019

Museu do Campo de Concentração do Tarrafal recebe 9000 visitas

Foram 22096 as pessoas que visitaram, em 2018, os museus de ...

Cabo Verde    03 fevereiro 2019

Luanda recebe navios encomendados por José Eduardo dos Santos

Chegaram a Angola seis dos 17 navios patrulha encomendados, ...

Angola    02 fevereiro 2019

Cinco partidos da Guiné-Bissau assinam acordo eleitoral

O entendimento, envolvendo PAIGC, PCD, PND, UN e PUN visa, e...

Guiné-Bissau    01 fevereiro 2019

Desastres como os de Mariana e Brumadinho podem repetir-se no Brasil

No país, mais de 700 barragens apresentam risco de ruptura c...

Brasil    01 fevereiro 2019