Taur Matan Ruak considera que a despesa inscrita no documento é necessária para melhorar as condições de vida. Esta é a resposta do Chefe do Governo a todos aqueles que têm classificado o valor inscrito nesse item como “excessivo”.

O executivo inscreveu 1,8 mil milhões de euros na rubrica, levantando um coro de críticas de todas as bancadas parlamentar, nomeadamente das que o apoiam. A maioria dos deputados defendeu a redução da verba, obrigando ao adiamento da discussão do orçamento, agendado para 26 do mês passado. Os parlamentares pretendem que sejam retirados da despesa entre 1,18 a 1,45 mil milhões de euros.

No início do debate Parlamentar o Primeiro-Ministro classificou o documento como ambicioso e arrojado, mas explicou que, não obstante esse aspecto, “não deixou de tomar em consideração os riscos” associados ao mesmo, nomeadamente, no que toca “à sustentabilidade do Fundo Petrolífero”.

Taur Matan Ruak tentou desdramatizar as preocupações manifestadas, pelos deputados, sobre o impacto do levantamento do Fundo Petrolífero, recorrendo ao facto de a verba ser inferior à inscrita no Orçamento de 2016, em 189 milhões de euros, tendo notado que, na altura, ninguém se manifestara preocupado com a situação.

O Fundo Petrolífero é a principal fonte de receitas do Orçamento Geral do Estado de Timor.

O Chefe do Governo esclareceu que, na elaboração da proposta, predominou “a necessidade de” se “continuar a apostar na realização de investimentos estratégicos”, bem como nos que terão impacto no desenvolvimento local e comunitário.

Com os primeiros, o Executivo pretende tornar sustentável a economia e o futuro do país, enquanto que, para os segundos, estabeleceu, como objectivo, determinante, a “coesão territorial” e a “melhoria das condições de vida” das populações.

Taur Matan Ruak manifestou que não ignora as preocupações dos parlamentares, mas defendeu que “governar implica tomar decisões complexas e difíceis”, na “prossecução do interesse público”.

Até ao momento, as críticas à despesa não tiveram repercussão no que toca à apresentação de propostas de alteração ao Orçamento de Estado.

 

Foto: http://www.parlamento.tl

Comentar

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Notícias Recentes

CEDEAO quer fim de contenda eleitoral

A Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, que ...

Guiné-Bissau    12 fevereiro 2020

Novo governo moçambicano toma posse

Tomou posse, dois dias depois da investidura de Filipe Nyusi...

Moçambique    18 janeiro 2020

Filipe Nyusi toma posse para um segundo mandato

Filipe Nyusi tomou posse, esta quarta-feira, para um segundo...

Moçambique    16 janeiro 2020

Umaro Sissoco Embaló eleito Presidente da Guiné-Bissau

O candidato do MADEM ultrapassou Domingos Simões Pereira por...

Guiné-Bissau    01 janeiro 2020

Guineenses votam para Presidente da República

Os eleitores da Guiné-Bissau encolhem entre Domingos Simões ...

Guiné-Bissau    29 dezembro 2019