Dezenas de profissionais que trabalharam no recenseamento dos eleitores na Guiné-Bissau, processo que terminou em dezembro último, vestidos com coletes amarelos, a lembrar o movimento criado em França, exigem o pagamento de parte de um subsídio ao qual têm direito e manifestaram-se, ontem, na capital do país.

Um protesto pacífico que aconteceu nas proximidades do ministério das Finanças, em Bissau, e que aconteceu no meio de alguma controvérsia já que as autoridades do país dizem que a situação está a ser resolvida. Apesar disso, e aos jornalistas, a porta-voz do grupo, Naina Baldé, afirmou que estão cansados de promessas e garantem que vão continuar a protestar a organizar ações de protesto, frente ao Gabinete Técnico de Apoio ao Processo Eleitoral e à sede do governo, enquanto não lhes for pago o que é devido.

Comentar

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Notícias Recentes

Presidente moçambicano vai condecorar veteranos da luta pela libertação

Filipe Nyusi anunciou, no sábado, na Praça dos Heróis Moçamb...

Todas as Notícias    03 fevereiro 2019

Museu do Campo de Concentração do Tarrafal recebe 9000 visitas

Foram 22096 as pessoas que visitaram, em 2018, os museus de ...

Cabo Verde    03 fevereiro 2019

Luanda recebe navios encomendados por José Eduardo dos Santos

Chegaram a Angola seis dos 17 navios patrulha encomendados, ...

Angola    02 fevereiro 2019

Cinco partidos da Guiné-Bissau assinam acordo eleitoral

O entendimento, envolvendo PAIGC, PCD, PND, UN e PUN visa, e...

Guiné-Bissau    01 fevereiro 2019

Desastres como os de Mariana e Brumadinho podem repetir-se no Brasil

No país, mais de 700 barragens apresentam risco de ruptura c...

Brasil    01 fevereiro 2019