Dezenas de profissionais que trabalharam no recenseamento dos eleitores na Guiné-Bissau, processo que terminou em dezembro último, vestidos com coletes amarelos, a lembrar o movimento criado em França, exigem o pagamento de parte de um subsídio ao qual têm direito e manifestaram-se, ontem, na capital do país.

Um protesto pacífico que aconteceu nas proximidades do ministério das Finanças, em Bissau, e que aconteceu no meio de alguma controvérsia já que as autoridades do país dizem que a situação está a ser resolvida. Apesar disso, e aos jornalistas, a porta-voz do grupo, Naina Baldé, afirmou que estão cansados de promessas e garantem que vão continuar a protestar a organizar ações de protesto, frente ao Gabinete Técnico de Apoio ao Processo Eleitoral e à sede do governo, enquanto não lhes for pago o que é devido.

Comentar

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Notícias Recentes

Cabo Verde primeiro país africano a aderir à descarbonização dos transportes

A cerimónia de adesão à referida Aliança decorreu hoje, 24 d...

Cabo Verde    24 abril 2019

Tribunal reduz pena a Lula da Silva

O Superior Tribunal de Justiça do Brasil decidiu passar de 1...

Brasil    24 abril 2019

Aprovada proposta de lei para criação de autarquias em Angola

Foi aprovada, pelo Parlamento angolano, na generalidade, a p...

Angola    23 abril 2019

Presidente de Moçambique na China

Filipe Nyusi está, em Pequim, para participar no segundo Fór...

Moçambique    22 abril 2019

Países lusófonos entre a boa e a difícil situação no que toca a liberdade de imprensa

Portugal subiu dois lugares na classificação dos Repórteres ...

Geral    22 abril 2019