Dezenas de profissionais que trabalharam no recenseamento dos eleitores na Guiné-Bissau, processo que terminou em dezembro último, vestidos com coletes amarelos, a lembrar o movimento criado em França, exigem o pagamento de parte de um subsídio ao qual têm direito e manifestaram-se, ontem, na capital do país.

Um protesto pacífico que aconteceu nas proximidades do ministério das Finanças, em Bissau, e que aconteceu no meio de alguma controvérsia já que as autoridades do país dizem que a situação está a ser resolvida. Apesar disso, e aos jornalistas, a porta-voz do grupo, Naina Baldé, afirmou que estão cansados de promessas e garantem que vão continuar a protestar a organizar ações de protesto, frente ao Gabinete Técnico de Apoio ao Processo Eleitoral e à sede do governo, enquanto não lhes for pago o que é devido.

Comentar

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Notícias Recentes

Carlos Gomes Júnior apresenta candidatura a Presidente da Guiné-Bissau

O antigo Primeiro-Ministro guineense promete lutar, de forma...

Guiné-Bissau    14 agosto 2019

Presidente de Timor solicita constitucionalidade de diplomas aprovados no Parlamento

Em causa está a nova formulação das Leis do Fundo Petrolífer...

Timor-Leste    13 agosto 2019

Alemanha suspende investimentos no Brasil

Na base da decisão está a política ambiental do Governo Bras...

Brasil    12 agosto 2019

Companhia Aérea de Cabo Verde retoma voos domésticos

A empresa vai operar para as ilhas de Santiago e São Vicente...

Cabo Verde    12 agosto 2019

Há 500 anos começava a primeira viagem de circum-navegação

Há 500 anos o português Fernão de Magalhães e o espanhol Seb...

Portugal    10 agosto 2019