A missão da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, CPLP, acompanha o processo eleitoral desde 25 de Fevereiro. Tendo seguido a campanha, a votação e o escrutínio em seis regiões do país.

De acordo com o relatório preliminar, os observadores lusófonos constataram que as liberdades cívicas e os direitos políticos dos cidadãos, consagrados na legislação da Guiné-Bissau, foram assegurados. Por outro lado, verificaram que a votação decorreu "em consonância com as práticas internacionais".

A delegação felicita, no documento apresentado esta terça-feira em Bissau, o povo guineense pelo "civismo e serenidade" com que votou, servindo de exemplo para a "boa governação", bem como para a "estabilidade", "desenvolvimento económico e social"  e "reforço da Democracia" e dos Direitos de Estado no país. 

Os observadores da CPLP terminam a sua missão na Guiné-Bissau a 14 de Março, amanhã, depois do anúncio dos resultados provisórios da votação de domingo, pela Comissão Nacional de Eleições.

Comentar

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Notícias Recentes

Demitidos dois Ministro na Guiné-Bissau

O chefe do Governo guineense exonerou os titulares das pasta...

Guiné-Bissau    17 maio 2019

Milhares de brasileiros protestaram contra o Governo de Bolsonaro

As manifestações decorreram em mais de duas centenas de cida...

Brasil    16 maio 2019

Angola candidata-se à Organização Internacional da Francofonia

Aquele país lusófono pretende ser membro observador da comun...

Angola    16 maio 2019

Universitários brasileiros protestam contra cortes nos financiamentos

À iniciativa de estudantes que frequentam o ensino superior ...

Brasil    15 maio 2019

Presidente de Moçambique preocupado com ataques no Norte do país

Pela primeira vez, Filipe Nyusi assumiu publicamente a gravi...

Moçambique    15 maio 2019