A medida entra em vigor no início do ano e foi tomada com o objectivo de tornar a justiça mais rápida e acessível.

Estas personalidades independentes, sem poder de decisão, vão tentar que as partes em litígio cheguem a um entendimento total ou parcial, antes da fase de julgamento.

Estes intervenientes que vão funcionar nos tribunais judiciais de província contam com o apoio de um magistrado. Este juiz assegurará a coordenação e o funcionamento dos mediadores, bem como a sua formação.

A mediação termina pelo consenso ou quando uma das partes informa o mediador que não é possível chegar a um acordo, passando daí para fase judicial.

Novas dinâmicas na vida social e económica dos moçambicanos provocaram o aumento de casos apresentados as instâncias judiciais, ditando o recurso a medidas mais expedidas de resolução de conflitos do foro civil e comercial, dada a carência de juízes.

O recurso a esta resolução de conflitos é gratuita, podendo as partes fazer-se acompanhar por advogado.

Comentar

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Notícias Recentes

Presidente moçambicano vai condecorar veteranos da luta pela libertação

Filipe Nyusi anunciou, no sábado, na Praça dos Heróis Moçamb...

Todas as Notícias    03 fevereiro 2019

Museu do Campo de Concentração do Tarrafal recebe 9000 visitas

Foram 22096 as pessoas que visitaram, em 2018, os museus de ...

Cabo Verde    03 fevereiro 2019

Luanda recebe navios encomendados por José Eduardo dos Santos

Chegaram a Angola seis dos 17 navios patrulha encomendados, ...

Angola    02 fevereiro 2019

Cinco partidos da Guiné-Bissau assinam acordo eleitoral

O entendimento, envolvendo PAIGC, PCD, PND, UN e PUN visa, e...

Guiné-Bissau    01 fevereiro 2019

Desastres como os de Mariana e Brumadinho podem repetir-se no Brasil

No país, mais de 700 barragens apresentam risco de ruptura c...

Brasil    01 fevereiro 2019