A medida entra em vigor no início do ano e foi tomada com o objectivo de tornar a justiça mais rápida e acessível.

Estas personalidades independentes, sem poder de decisão, vão tentar que as partes em litígio cheguem a um entendimento total ou parcial, antes da fase de julgamento.

Estes intervenientes que vão funcionar nos tribunais judiciais de província contam com o apoio de um magistrado. Este juiz assegurará a coordenação e o funcionamento dos mediadores, bem como a sua formação.

A mediação termina pelo consenso ou quando uma das partes informa o mediador que não é possível chegar a um acordo, passando daí para fase judicial.

Novas dinâmicas na vida social e económica dos moçambicanos provocaram o aumento de casos apresentados as instâncias judiciais, ditando o recurso a medidas mais expedidas de resolução de conflitos do foro civil e comercial, dada a carência de juízes.

O recurso a esta resolução de conflitos é gratuita, podendo as partes fazer-se acompanhar por advogado.

Comentar

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Notícias Recentes

Cabo Verde primeiro país africano a aderir à descarbonização dos transportes

A cerimónia de adesão à referida Aliança decorreu hoje, 24 d...

Cabo Verde    24 abril 2019

Tribunal reduz pena a Lula da Silva

O Superior Tribunal de Justiça do Brasil decidiu passar de 1...

Brasil    24 abril 2019

Aprovada proposta de lei para criação de autarquias em Angola

Foi aprovada, pelo Parlamento angolano, na generalidade, a p...

Angola    23 abril 2019

Presidente de Moçambique na China

Filipe Nyusi está, em Pequim, para participar no segundo Fór...

Moçambique    22 abril 2019

Países lusófonos entre a boa e a difícil situação no que toca a liberdade de imprensa

Portugal subiu dois lugares na classificação dos Repórteres ...

Geral    22 abril 2019