O país estabeleceu três acordos com empresas petrolíferas estrangeira visando o relançamento do sector.

O entendimento envolve as empresas Ophir Energy, da Grã-Bretanha, e Kosmos Energy, do Bangladesh.

O aumento da produção é essencial para a antiga colónia espanhola sair da recessão em que se encontra, dado depender, quase em absoluto, da venda do petróleo.

A Ophir Energy vai explorar um bloco com uma área superior a três mil e 500 quilómetros quadrados. A petrolífera dispõe de uma participação de 80 por cento e a empresa estatal de petróleos da Guiné Equatorial a parte resta. Está previsto o aumento para 30 por cento se houver uma descoberta rentável.

O acordo contempla um período investigação e pesquisa, dividido em duas partes de dois anos, e um outro de desenvolvimento e exploração, de 25 anos. Este pode ser alargado a mais cinco anos, se foi feita uma descoberta comercial.

Os contratos agora assinados enquadram-se na estratégia do Governo para responder à queda da produção e do preço dos hidrocarbonetos.

O FMI prevê que a Guiné Equatorial deverá continuar em recessão até ao final da década, estimando para este ano uma percentagem acima dos sete por cento.

 

(Foto: http://www.equatorialoil.com/)

Comentar

{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Notícias Recentes

Prata para Portugal nos Mundiais de Atletismo

O atleta português João Vieira, de 43 anos, conquistou a med...

Portugal    01 outubro 2019

Empresa internacionais deixam de comprar produtos brasileiros

Entre essas firmas, encontram-se as marcas Timberland, Vanda...

Brasil    29 setembro 2019

Seca agrava-se no Sul de Angola

A falta de chuva está a afectar mais de dois milhões de pess...

Angola    27 setembro 2019

Pesticidas matam milhões de abelhas no Brasil

São milhões os enxames que desapareceram no sul do país. A r...

Brasil    25 setembro 2019

Guiné-Bissau celebra dia da Independência

Foi a 24 de novembro de 1973 que a Guiné-Bissau proclamava a...

Geral    24 setembro 2019