Encontraram-se na busca de uma solução que levasse a uma paz duradoura em Moçambique. O Presidente moçambicano chegou a deslocar-se ao Parque Nacional da Gorongosa, onde estava "refugiado" o líder histórico da Renamo, Resistência Nacional Moçambicana, o segundo maior partido político do país, para se reunir com Afonso Dhlakama, que morre agora aos 65 anos. 

Através da sua conta de Facebook Filipe Nyusi diz-se "deprimido", escreve que perde um irmão e que fez de tudo para que Dhlakama fosse transferido para o estrangeiro para ser tratado. 

Da Guerra Civil à paz em Moçambique

Era no diálogo entre os dois líderes que se iam criando e sustentando as bases para a paz no país depois de décadas de guerra civil, uma luta mortal que tinha como atores principais a Frelimo e a Renamo.

Foi em 1976, logo após a independência do país que eclodiu a guerra civil. Na altura a Frelimo era já poder, com Samora Machel, e a Renamo surgia, apoiada por vários países da região, como contrapoder mas enquanto força armada. Tinha à sua frente André Matade Matsangaissa, morto pelas forças governamentais, em Gorongosa a 17 de outubro de 1979. A luta pela sucessão é sangrenta e é Afonso Dhlakama que se sagra vencedor.

A mudança de orientação política da Frelimo e a revisão da Constituição, que passa a prever um sistema político multipartidário, abre caminho a um novo ciclo. Governo e rebeldes voltam a negociar o cessar-fogo, tinham tentado fazê-lo em 1984.

É a quatro de outubro de 1992 que Frelimo e Renamo assinam o "Acordo Geral de Paz", em Roma, Itália que põe fim a um massacre que terminou com mais de um milhão de mortos e um país completamente destruído. Chegou mesmo a ser considerado o mais pobre do mundo.

Desde então houve avanços e retrocessos. A Renamo foi a eleições várias vezes mas nunca conseguiu deixar de ser o segundo partido mais votado do país. Entre acusações de fraude eleitoral, por parte da antiga resistência, a situação chegou a ser turbulenta, com algumas mortes pelo meio.

Dez anos depois da assinatura do acordo de paz Dhlakama cria uma base militar, na Gorongosa e treina antigos veteranos. Quer uma maior representação nas Forças Armadas, a revisão do sistema eleitoral e uma quota maior nas receitas de gás e carvão do país.

A tensão regressa ao país e só em julho de 2013, a 11ª ronda negocial, começa a trazer boas novas ao país. A Frelimo, e o presidente Armando Guebuza, aceitam fazer as mudanças exigidas pela Renamo, no que diz respeito à questão eleitoral. Os dois partidos chegam mesmo a um acordo parcial sobre a composição da Comissão Nacional de Eleições. Prossegue o impasse sobre a desmilitarização da Renamo e a crise sobre as eleições autárquicas, que esta não aceita, também não ajuda.

Várias rondas negociais se seguem sem resultados concretos, pelo meio mais tensão e mais mortes e acusações de ambas as partes. O líder da Renamo chega a estar cercado pela polícia moçambicana. Na altura diz que quer encontrar-se com o presidente Guebuza mas que para isso é imperativo que "retirem todos os elementos das Forças Armadas de Defesa e Segurança de Moçambique e agentes da Força de Intervenção Rápida que cercam a minha base", garantindo que se isso não acontecer "jamais sairei daqui para uma reunião com Guebuza. Os militares que cercam a minha base não vieram para festejar comigo. Querem eliminar-me fisicamente. E, para evitar que isso aconteça, não abandonarei esta base", esclarecia, na altura, ainda em 2013, o líder da Renamo enquanto as negociações eram suspensas. Dhlakama chega mesmo a anunciar o fim do Acordo de Paz.

A Renamo recua e regressa à mesa das negociações mas a tensão permanece no país. A comunidade internacional começa a fazer pressão mas as negociações continuam a falhar.

As mudanças começam a acontecer em 2014, com uma maior abertura do governo.

Após 69 rondas de negociações, governo e Renamo alcançam um acordo final para o fim das hostilidades no país mas que não será assinado de ânimo leve. É com Filipe Nyusi, que assume a presidência do país em outubro desse ano, que a situação toma um novo rumo. 

 

 

 

 

Comentar

Comentários   

0 # Stevkabeak 29-09-2019 05:45
Cytotec Sans Ordonnance Pharmacie Cialis Prix Belgique Pharmacie cheap cialis online Cialis 5 Mg Effetto Cialis Italia Farmacia Prix Xenical
Responder | Responder com citação | Citar
{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

Notícias Recentes

Guineenses votam para Presidente da República

Os eleitores da Guiné-Bissau encolhem entre Domingos Simões ...

Guiné-Bissau    29 dezembro 2019

Autoridades portuguesas desmantelam rede de imigração ilegal

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras desarticulou um grupo...

Portugal    22 dezembro 2019

Pesticidas fatais para abelhas predominantes em fruta e hortaliças do Brasil

A Agência de Vigilância Sanitária verificou que mais de meta...

Brasil    21 dezembro 2019

Estado angolano procura resgatar milhões de euros

A verba – estimada em perto de seis mil milhões de euros – f...

Angola    20 dezembro 2019

Parlamentares recusam participar na contenção da despesa pública de Timor

A maioria dos deputados rejeitou a proposta, feita pelo Gove...

Todas as Notícias    15 dezembro 2019